Venezuela chama de “provocação” exercício aéreo dos EUA na Guiana
Venezuela chama de “provocação” exercício aéreo dos EUA na Guiana

O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino, qualificou nesta quinta-feira (7) o anúncio de um exercício aéreo do Comando Sul dos Estados Unidos na Guiana como uma “infeliz provocação”, em meio às crescentes tensões entre os dois países sul-americanos sobre o território de Essequibo.

Na rede social X (ex-Twitter), o ministro disse que essa “provocação
infeliz dos Estados Unidos em favor dos pretorianos da empresa petrolífera
americana ExxonMobil representa outro passo na direção errada”.

O governo venezuelano acusa a empresa de ter “interesses
indevidos” na área disputada, rica em recursos naturais.

“Declaramos que não seremos desviados de nossas ações
futuras para a recuperação do Essequibo, não se enganem”, escreveu Padrino na
rede social, apesar de o exercício aéreo ser uma questão bilateral entre EUA e
Guiana, alheio à Venezuela e a suas instituições.

De acordo com comunicado divulgado pela imprensa guianense,
as missões aéreas do Comando Sul dos EUA, juntamente com a Força de Defesa da
Guiana (GDF), são baseadas em operações de rotina.

“Os militares dos EUA continuarão colaborando com a GDF nas
regiões de preparação para desastres, segurança aérea e marítima, bem como na
luta contra organizações criminosas transnacionais”, diz a nota.

“Dessa forma, o governo dos EUA continua comprometido com a
Guiana como um parceiro confiável para sua segurança e para promover a
cooperação regional”, acrescentou.

A operação aconteceu um dia depois de o secretário de Estado
dos EUA, Antony Blinken, afirmar ao presidente da Guiana, Irfaan Ali, o “apoio
incondicional” de seu governo.

A Venezuela criticou na quarta-feira o fato de a Guiana ter “dado
sinal verde para a presença do Comando Sul em Essequibo”.

A ditadura de Nicolás Maduro afirmou que a “atitude imprudente de Georgetown abre à potência imperial a possibilidade de instalar bases militares, com as quais está ameaçando a zona de paz delineada nesta região”.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.