Veja 5 dicas para quem quer começar a fazer day trade na bolsa. Mas lembre-se: cuidado!

0

Em evento da Semana Mundial do Investidor, Paula Reis, do canal Mulher Trader fala sobre sua experiência com compra e venda de ações e quais as oportunidades e riscos

Com 3 milhões de CPFs na bolsa e o termo “day trade” (compra e venda de ações no mesmo dia) ganhando a atenção dos novos investidores, nada mais indicado do que falar sobre oportunidades e riscos de investir na Semana Mundial do Investidor.

No painel na segunda-feira à noite “Nós, mulheres investidoras na Bolsa de Valores com Paula Reis”, que contou com a mediação de Naya Whitaker, da Easynvest, surgiram algumas dicas importantes, confira:

1.Entenda que você pode perder dinheiro

Investir em renda variável traz a oportunidade de ganhar mais dinheiro, mas o que nem todo mundo se preocupa muito é com o copo meio vazio: também dá para perder dinheiro, e muito, ainda mais com day trade.

No “swing trade”, como é chamado o tipo de operação que se faz uma posição em bolsa, mas ela não é desfeita no mesmo dia (o investidor fica um tempo com a operação, esperando ganhos), os riscos já são altos, mas o investidor pode ter mais tempo para recuperar o prejuízo. Mas no day trade, assim como há dias de glória, em que se ganha muito dinheiro, também há dias de perdas, em que o investidor perde bastante dinheiro, o que tem e, muitas vezes, o que não tem também.

Isso pode acontecer, segundo Paula, porque os day traders (os investidores que montam e desmontam operações no mesmo dia) não operam apenas comprando e vendendo diretamente ações, mas também negociando outros instrumentos, como os minicontratos de índice e dólar. Com esses instrumentos, é possível ficar avalancado (investir acima do patrimônio). Portanto, há um risco real de se perder tudo e mais um pouco.

“No caso do day trade, tem vários fatores que aumentam um pouco o risco. Em ações, já há a oscilação diária do Ibovespa, a volatilidade das ações. Mas operando com mini de índice e mini de dólar, dá para se alavancar. Com isso, o ganho pode ser interessante, mas a perda também”, diz Paula, que investe há alguns anos como day trader profissional e incentiva mulheres a começarem a aplicar algum dinheiro em bolsa.

2.Um passo de cada vez

“Dá para ganhar dinheiro com day trade, mas minha dica é ganhar experiência antes de sair investindo muito”, diz Paula. Fazer aos poucos operações dá não apenas mais segurança, como também mais conhecimento para quem está começando. É possível aprender com os erros e esses erros não fazerem estragos gigantes no orçamento.

Não adianta começar já operando day trade; precisa ter antes de tudo uma reserva de segurança, de emergência e precisa ter passado por alguns cenários, experiências como investidora para entender se ela tem capacidade – e perfil – de se envolver com um mercado mais arriscado”, explica.

Não que as mulheres não sejam capazes, reitera a influenciadora, pelo contrário, são tão capazes como os homens. Mas renda variável em um nível intenso como a vida de um investidor de day trade não é para qualquer um. A tolerância ao risco e ao vai-e-vem brusco do mercado tem que ser muito alta. Homens e mulheres precisam avaliar se têm o perfil.

Paula conta que sua primeira experiência em bolsa foi em 2009, quando já trabalhava há um tempo no mercado financeiro e ficou encantada pelos inúmeros IPOs (aberturas de capital) de empresas. Ela decidiu testar e comprou ações da concessionária de energia elétrica Light. No primeiro dia de negociação, o valor do papel despencou.

“Eu não tinha nenhum conhecimento de análise gráfica e queria já sair com lucro. Eu fiquei super assustada porque justo quando entrei teve oscilação negativa no primeiro dia”, conta.

Moral da história? Alguns poucos dias depois o papel voltou à cotação inicial, ela vendeu de medo e ficou no zero a zero. Demorou mais seis anos para entrar de novo na bolsa – só em 2015 que decidiu aplicar em fundos imobiliários.

3.Não se deixe levar pelo FoMO

Para quem não conhece, o termo FoMO – Fear of Missing Out (Medo de ficar de fora) – é usado para descrever aquela sensação de que você pode estar ficando de fora das discussões, das atualizações tecnológicas, das novas tendências. Esse medo causa ansiedade e leva frequentemente a comportamentos de manada. Sem nem avaliar direito o que está fazendo, a pessoa vai lá e investe só porque está todo mundo falando de bolsa e investimento day trade.

O risco de cair numa dessas é devastador para aquelas pessoas que não têm boa reserva de emergência ou não têm conhecimento algum sobre o tema – sem contar as inúmeras noites sem dormir, possivelmente.

“Muitas pessoas compram determinadas ações, mas não verificaram o preço [ se está cara ou barata]. Investe porque alguém comentou, da família, do grupo do WhatsApp, só pelo FoMO. Temos que respeitar nosso momento; não adianta fazer as coisas que ouviu se não for bom. Muita gente acaba vendendo no momento errado, de queda, porque não avaliou direito o que estava fazendo”, conta Paula.

Ela explica que esse sentimento de FoMO está muito mais intenso ultimamente pela Selic, a taxa básica de juros, estar em 2% ao ano.

“As pessoas estão muito preocupadas com a rentabilidade baixa na renda fixa. Muitas dizem ‘sou conservadora e sei que preciso me forçar a tomar mais risco para ganhar mais’. Estamos em um ano com um cenário macroeconômico de guerra, praticamente, com a pandemia. Não se penalize tanto pelas decisões de investimento do ano passado e retrasado porque a rentabilidade hoje está baixa”, aponta.

Ela recomenda, primeiramente, não sair desesperadamente realizando os investimentos porque, se você os mantiver, em algum momento pode recuperar o prejuízo. Mas se vender tudo, aí sim terá com certeza prejuízo. “Se não realizou, tem o mesmo número de cotas ou papéis que tinha antes. Não precisa se desesperar.”

4.Não queira ficar rico(a) rápido

Paula faz day trade com metas diárias, mas metas baixas. Se colocar metas de ganhos super altas é um erro comum e prejudicial a quem está começando a entender como funciona day trade, já que gera ansiedade e frustração constante.

“Estudei bastante para day trade, mas tem dias que fecho com ganho, dias de zero a zero, e dias negativos. Até hoje, dois anos depois, eu uso rendimento do day trade para reaplicar na minha carteira de longo prazo. Não me forço emocionalmente para dobrar minha mão. Sei de pessoas que negociam minicontratos em quantidade grande e que aumenta muito seu risco. Prefiro bater minha meta baixa e, com o ganho do day trade reinvestir no swing trade”, diz.

A sugestão para quem ainda não tem familiaridade com o assunto é começar pelo swing trade e arranjar outra fonte de renda (e ocupação da cabeça).

“A internet trouxe falsa impressão para o day trade e as pessoas vem com expectativas muito altas”, afirma.

5.Recado para mulheres

Para mulheres, que ainda tendem a delegar suas decisões de investimentos e têm medo de investir em renda variável, a dica dela é começar com R$ 100 para entender a lógica. Buscar conhecimento é também importante porque o mercado de ações – e o de day trade – tem suas especificidades e a linguagem nem sempre é fácil. E, por fim, se permita ganhar dinheiro!

“Por muito tempo não foi bem visto a mulher ganhar dinheiro. Precisamos aceitar ganhar dinheiro e entender que querer ganhar dinheiro não é um problema. Há várias formas de fazer isso e cuidar melhor do dinheiro que já ganha é uma delas. Dar este passo de empoderamento, de crescimento, de liberdade que tanto falamos”, finaliza Paula.

Sobre o Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *