Turismo e artesanato ganham espaço cultural na 508 Sul
Turismo e artesanato ganham espaço cultural na 508 Sul

Uma iniciativa inédita promete potencializar o desenvolvimento do turismo, por meio das diversas possibilidades apresentadas no artesanato

A Secretaria de Estado de Turismo do Distrito Federal (Setur-DF) reuniu, na tarde deste sábado (10), dezenas de instituições e associações do artesanato e manualistas de Brasília para a apresentação do espaço dedicado a esse setor. Uma iniciativa inédita promete potencializar o desenvolvimento do turismo, por meio das diversas possibilidades apresentadas no artesanato. A ação foi celebrada com muito entusiasmo pelos representantes presentes.

O Espaço Cultural do Turismo e Artesanato fica localizado na 507 Sul, no prédio que foi reformado, grafitado por artistas representantes das autoridades administrativas, e será o principal ponto de apoio para a economia criativa, fomentando o turismo. Um verdadeiro centro de capacitação para os artesãos e manualistas de Brasília que recebeu a chave das mãos do secretário de Turismo, William Almeida.

“Este espaço é fruto de um trabalho integrado iniciado pela Setur-DF, em parceria com a CDL/DF e as secretarias de Desenvolvimento Urbano, Obras, Codeplan, CEB e Detran, sob a liderança do governador Ibaneis Rocha. Não medimos esforços para reconstruir e revitalizar este ambiente que estava abandonado. O principal objetivo é proporcionar oportunidades para o crescimento profissional e o desenvolvimento dos artesãos, fomentar a economia criativa, buscar o desenvolvimento do turismo, gerando, cada vez mais, emprego e renda”, afirma o secretário.

Representantes de institutos, associações, centro de ensino de artesanato abrigam presentes e celebram a inauguração do espaço. Para Marley Santos, vice-diretora da Associação Ceilândia Centro, essa será uma grande oportunidade de abordar o artesanato das regiões administrativas com os moradores e visitantes que passam diariamente pelo local. “Este é um espaço muito bem localizado, de fácil acesso para todos nós, é que servirá de apoio e incentivo para todas as 30 artesãs associadas, que agora, podem contar com desfrutar de tudo isso”, comemora Marley.

Hebert Amorim, presidente da Feira da Torre de TV, elogiou a iniciativa da secretaria de Turismo. “A Feira da Torre de TV vem recebendo apoio deste governo por meio das ações da Setur, e a inauguração deste espaço é a prova disso. Estamos otimistas e contamos com o apoio para que as associações estejam mais presentes na feira. Parabenizo o secretário e a Setur”, agradece o presidente.

Este espaço, assim como as lojas do artesanato de Brasília, localizadas nos shoppings Pátio Brasil e Alameda, e as diversas feiras e exposições produzidas pela Setur, pretendem ser um polo de escoamento dos produtos de artesanato, mas principalmente, integrar todos os projetos e pessoas funcionais ao movimento. Os mestres artesãos também estarão presentes.

Lira Antônia Gomes Nascimento é mestre artesã, presidente da associação em Planaltina há 40 anos, pertence a uma família tradicional de artesãos, conta que vem acompanhando e colaborando dos projetos da Setur, e que este espaço “vai trazer oportunidade para que os mestres repassem seus conhecimentos para essa nova geração”. Segundo Lira, desta forma o artesanato se renova e o espaço é uma vitória.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

qualificação

De acordo com a Setur/DF, o Espaço Cultural é o primeiro local destinado para que o artesanato e toda a economia criativa possam realizar encontros, palestras, reuniões, fazer exposições e trocar experiências. A Oficina do Saber – projeto de qualificação do artesanato, também funcionará no local e possibilitará mais oportunidade para os trabalhadores. As carteiras nacionais do Artesão e do Manualista, em breve, também, serão entregues no novo espaço.

O Centro de Artes da Vila Telebrasília atende cerca de 50 alunos e, para a artista plástica e professora do centro, Gildrede Mascarenhas Nascimento, “este espaço é uma inovação, um olhar diferenciado que a Setur está proporcionando para quem estava sem rumo. A partir desta oportunidade, passaremos a mostrar para a sociedade nosso papel e valor”. A economia criativa substituiu a informalidade pelo conhecimento e, neste lugar, vamos aperfeiçoar, cada vez mais, o trabalho”, finaliza a artista.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.