Túnel entre SP e MG foi palco de batalhas com mais de 200 mortes na Revolução de 1932

0
Spread the love

Túnel ferroviário fica entre Cruzeiro (SP) e Passa Quatro (MG), mas também está próximo do Rio de Janeiro, que até então era a capital do país. Por isso, se tornou palco de diversas batalhas entre tropas paulistas e federais. Soldados da Revolução de 32 no Túnel da Mantiqueira, em Cruzeiro, SP
Arquivo pessoal
Celebrada em 9 de julho, a Revolução Constitucionalista de 1932 completa 92 anos nesta terça-feira (9). Quase um século depois, um dos principais palcos das batalhas da revolução segue de pé e se mantém com diversas marcas dos embates: o Túnel da Mantiqueira, localizado entre São Paulo e Minas Gerais.
✅ Clique aqui para seguir o canal do g1 Vale do Paraíba e região no WhatsApp
O Túnel da Mantiqueira é um túnel ferroviário de 976 metros de extensão, que liga Cruzeiro, em solo paulista, e Passa Quatro, em solo mineiro. Ele foi palco das batalhas mais sangrentas da revolução histórica: estima-se que mais de 250 soldados morreram no local.
Pesquisador e historiador na região do Vale do Paraíba, onde fica Cruzeiro, o especialista Diego Amaro explica que o túnel, além de ficar na divisa entre São Paulo e Minas Gerais, está também próximo à divisa com o Rio de Janeiro, que até então era a capital do país.
Imagem de arquivo – Revolução Constitucionalista de 1932: Soldados de Cruzeiro fazem ato em região marcada por conflitos
Prefeitura de Cruzeiro/Divulgação
Por conta disso, se tornou um ‘ponto de encontro’ fácil entre as tropas paulistas e federais, que lutaram por quatro meses durante o movimento armado liderado pelo estado de São Paulo.
“Por conta da localização, o túnel era de fácil acesso às duas tropas. Além disso, era um local estratégico porque você conseguia encurralar seu adversário. Era escuro e fechado. Não tinha para onde fugir”, explica o historiador.
Túnel do Trem da Mantiqueira
Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF)
Até hoje, o Túnel da Mantiqueira tem marcas das batalhas. Além disso, é comum que exploradores e moradores da cidade encontrem resquícios dos embates, como munições.
“Eu mesmo já encontrei diversas munições. Uma vez estive com um detector de metal na cidade e é absurdo o número de munições nos espaços de batalhas. E é interessante que você consegue até diferenciar as munições das tropas de São Paulo e as munições das tropas federais. Cruzeiro é um local muito preservado no sentido da Revolução Constitucionalista”, pontua Diego.
Cápsulas da Revolução de 32 encontradas em Cruzeiro (SP)
Arquivo pessoal
Cruzeiro também foi o local em que aconteceu a assinatura da rendição militar do Exército Constitucionalista perante o Exército Federal. Por conta disso, a cidade foi reconhecida pelo Governo Federal como Capital da Revolução de 1932, por meio de uma lei de abril deste ano.
Oficialmente, morreram 943 pessoas na Revolução Constitucionalista de 1932. Os conflitos começaram em 9 de julho – feriado estadual em São Paulo – e foram encerrados em 2 de outubro, quando as tropas constitucionalistas se renderam.
“A batalha começou com 100 mil soldados federais contra 35 mil soldados de São Paulo. Então a missão paulista era praticamente impossível. Isso sem contar o arsenal muito maior que a tropa federal tinha”, conclui Diego Amaro.
Leia mais notícias do Vale do Paraíba e região
A Revolução Constitucionalista foi um movimento armado liderado pelo estado de São Paulo, que defendia uma nova Constituição para o Brasil e era contra o autoritarismo do Governo Provisório de Getúlio Vargas.
Soldados durante a Revolução Constitucionalista de 1932
Arquivo pessoal
Revolução Constitucionalista de 1932: Soldados de Cruzeiro fazem ato em região marcada por conflitos
Prefeitura de Cruzeiro/Divulgação
Veja mais notícias do Vale do Paraíba e região bragantina

Sobre o Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *