Queda de Castillo escancara caos político de décadas no Peru – Notícias
Queda de Castillo escancara caos político de décadas no Peru – Notícias

O povo do Peru nunca esquecerá o dia 7 de dezembro de 2022. Foi data que o cenário político do país virou de cabeça para baixo com uma tentativa de golpe malsucedida do então presidente, Pedro Castillo, que nem sequer foi apoiado pela alta cúpula do próprio governo.

Em poucas horas, o ex-mandatário anunciou a celebração do Congresso e estabeleceu um estado de exceção. Entretanto, na mesma tarde, foi a vez de o Congresso destituir Castillo e, em seguida, empossar Dina Boluarte, que havia iniciado o dia como vice-presidente do Peru.

Para o cientista político e professor da ESPM Paulo Ramirez, o novo chefe de Estado peruano terá dificuldade para governar com tamanha turbulência política no país, que coleciona ex-presidentes que responderam a processos de impeachment.

“É importante lembrar que o Peru, desde o fim do século passado, passou por uma série de impeachment. É o país da América Latina que tem o recorde de presidentes impichados, assim como, talvez, um dos países que mais impicharam presidentes”, conta Ramirez em entrevista ao R7.

O cientista político acredita que a estrutura de poderes do Peru — que, diferentemente do Brasil, não possui um Senado — colabora para a interferência do Legislativo no Executivo.

“[O grande número de impeachments] acontece porque não existe um Senado. Uma Câmara totalmente fragmentada e que dá uma ampla margem de intervenção do Legislativo sobre o Executivo. O que justifica o fato de que é muito difícil no Peru um presidente encerrar ou terminar um mandato inteiro.”


Também em entrevista ao R7o professor da Unila (Universidade Federal da Integração Latino-Americana) Fábio Borges ressalta que é difícil fazer previsões para o país, inclusive pelas dúvidas que cercam o atual presidente.

“Boluarte é uma incógnita porque é muito vinculada a Castillo. Por outro lado, menos ela seria tão inepta quanto foi Castillo. Se ela montar um bom ministério, por algum tempo ela vai ter trégua para trabalhar”, afirma Borges.

O docente da Unila reforça a ideia de que Boluarte precisará se aliar ao Congresso peruano pensando em sobreviver no cargo até o fim do mandato, com previsão de término em julho de 2026.

“Se é um rompimento ou uma continuidade [com Castillo], é difícil ainda saber, mas, se por uma continuidade, ela vai durar. O que ela tem que fazer é justamente tentar ir aos pouquinhos se distanciando, pelo menos na competência, nos méritos das escolhas ministeriais.”



Novas eleições podem acontecer em breve?



Com a queda de Castillo e a posse de Boluarte, o Peru já tem um novo presidente. Entretanto, não se sabe qual será a governabilidade da mandatária, que se tornou a primeira mulher a assumir o cargo de chefe de Estado do país.

De acordo com Ramírez, os peruanos voltariam às urnas caso o estado de exceção anunciado pelo ex-presidente tivesse sido efetivamente consagrado com o fechamento do Congresso. Como não ocorreu, caberá ao novo governo decidir o que fazer.

Borges, por sua vez, explica que Boluarte ainda não aceitou as possibilidades de um adiantamento das eleições. Também é difícil apontar favoritos em um futuro pleito, segundo o professor da Unila, que fala do enfraquecimento da esquerda peruana.

“Acho que a direita sai um pouco fortalecida desse processo, então algum candidato da direita pode se beneficiar disso. A esquerda sai bastante desgastada. É difícil imaginar algum candidato de esquerda que teria chances depois dessa experiência, mas ainda é difícil saber.”


Independentemente da realização da eleição no futuro próximo ou não, a instabilidade política do Peru, que se perpetua por décadas, continuará sendo uma pauta diária do povo do país, que ainda busca construir uma democracia consolidada.

“[Boluarte] claramente vai sofrer algum grau de oposição com o temor da direita e extrema direita peruana de que haja algum tipo de continuidade com o governo anterior, mais atrelado a uma visão de estatização de empresas privadas”, ressalta Ramírez.

“Os problemas continuam. Problemas sociais, problemas relacionados à economia, à saúde e à infraestrutura. O Peru é um país com problemas muito profundos. Seja lá quem for o governante, tem que ser muito competente, porque o descontentamento popular continua diante dessa situação histórica do país”, conclui Borges.


Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.