Políticos repudiam assassinato em Foz; Bolsonaro diz que ‘não tem nada a ver’ com crime

0
Rodrigo Pacheco (MDB) e demais parlamentares fizeram um minuto de silêncio em homenagem a Marcelo Arruda. Foto: Reprodução/TV Senado

Presidente da República cobrou uma apuração séria do caso e disse ser contra qualquer tipo de violência

Deputados e Senadores fizeram um minuto de silêncio no Congresso Nacional nesta segunda-feira, 11, pelo assassinato de Marcelo Arruda, tesoureiro do PT que foi morto a tiros em Foz do Iguaçu. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (MDB), defendeu que, tanto os partidos, quanto os líderes têm a responsabilidade de pregar a paz, a tolerância e o respeito.

“O respeito à divergências e ao contraditório deve ser pregado pelos líderes políticos, não só os que ocupam posições… Mas fundamentalmente aqueles que disputam eleições”, declarou o senador.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), divulgou uma nota na qual repudia qualquer ato de violência decorrente de manifestações políticas e pediu respeito à democracia. No Planalto, o presidente Jair Bolsonaro (PL) cobrou uma apuração séria do caso e disse ser contra qualquer tipo de violência.

“O que eu tenho a ver com esse episódio de Foz do Iguaçu? Nada. Eu já sofri um dia isso na pele, a gente espera que não aconteça, obviamente”, declarou o presidente de República.

O Partido dos Trabalhadores avalia que a federalização do caso pela Procuradoria-Geral da República (PGR) seria a melhor solução para a investigação.

O assunto foi tema de reunião da coordenação da pré-campanha de Lula e, no encontro, Gleisi Hoffmann reiterou que esse não é um crime comum, e sim um crime político. A PGR sinalizou que, à princípio, não existem elementos para levar o caso à Justiça Federal. Fonte: JP

Sobre o Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *