Novo governo pede ‘PEC da Transição’ ao Congresso para conseguir bancar Bolsa Família de R$ 600
Vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin lidera o grupo que realizará a transição do governo Jair Bolsonaro para a gestão de Luiz Inácio Lula da Silva. Foto: Fátima Meira
Novo governo pede ‘PEC da Transição’ ao Congresso para conseguir bancar Bolsa Família de R$ 600
Vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin lidera o grupo que realizará a transição do governo Jair Bolsonaro para a gestão de Luiz Inácio Lula da Silva. Foto: Fátima Meira

Alckmin afirmou que é necessário ‘rapidez’ e ‘agilidade’ nos procedimentos transitórios para que a análise orçamentária não atrase

A manhã desta quinta-feira, 3, marca o início da transição de governo da gestão Jair Bolsonaro (PL) para a do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Após a reunião realizada com a equipe que coordenará a passagem da administração, o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) falou com os jornalistas presentes e ressaltou sua preocupação com a aprovação do orçamento para o próximo ano.

Na visão do ex-governador de São Paulo, é necessário “rapidez” e “agilidade” nos procedimentos transitórios para que a análise orçamentária não atrase e não serviços e obras não sejam paralisados. “A preocupação é manter o Bolsa Família de R$ 600.

Para pagá-lo em janeiro ha necessidade de, até 15 de dezembro, termos a autorização, a chamada PEC da Transição e a lei orçamentaria, para não interromper serviços públicos ou paralisação de obras publicas”, explicou.

Chamada de PEC da Transição, a proposta tem como objetivo incluir no novo orçamento público parte das promessas de campanha do Partido dos Trabalhadores, como a manutenção do valor de R$ 600 para o Bolsa Família à partir de janeiro, e excepcionalizar as medidas do atual teto de gastos.

Alckmin também informou que haverá uma reunião com o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva na próxima segunda-feira, 7. No dia seguinte, o futuro vice-presidente voltará a se reunir com Marcelo Castro, o relator-geral do Orçamento de 2023, para seguir com os trabalhos da transição de governo“A reunião foi proveitosa e tudo há de ser rápido, pois há uma série de procedimentos.

A rapidez e a agilidade são importante. Vamos também procurar o presidente da Comissão Mista de Orçamento, o deputado Celso Sabino (União Brasil-PA), e conversar com os presidentes da Câmara [Arthur Lira] e do Senado [Rodrigo Pacheco]”, finalizou.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.