Minuta golpista previa prisão de Gilmar, Pacheco e Moraes e novas eleições; Bolsonaro pediu alterações no texto

Minuta golpista previa prisão de Gilmar, Pacheco e Moraes e novas eleições; Bolsonaro pediu alterações no texto
Informação consta de decisão que embasa operação desta quinta (8), que mira atuação de militares, ex-ministros e ex-assessores de Bolsonaro numa tentativa de golpe de Estado para manter o então presidente no Poder mesmo após a derrota nas urnas. A investigação da Polícia Federal sobre a tentativa de golpe de Estado para manter Jair Bolsonaro (PL) no poder descobriu uma minuta golpista que previa a prisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, além do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).
De acordo com a PF, Bolsonaro recebeu essa minuta e pediu para retirar os nomes de Gilmar e Pacheco e manter o de Alexandre de Moraes.
As informações constam da decisão de Alexandre de Moraes que embasa uma operação deflagrada nesta quinta-feira (8) contra militares e ex-ministros do governo Jair Bolsonaro (PL). O ex-presidente teve o passaporte apreendido pela PF e foi proibido de falar com investigados.
A PF tenta elucidar a participação dos investigados nos atos do dia 8 de janeiro, quando milhares de manifestantes invadiram e depredaram as sedes dos Três Poderes (Palácio do Planalto, Congresso e Supremo).
Segundo a PF, os investigados se uniram para disseminar notícias falsas sobre o sistema eleitoral brasileiro, com objetivo de criar condições para uma intervenção militar que mantivesse Bolsonaro no poder.
A operação foi chamada pela PF de Tempus Veritatis, que significa “hora da verdade”, em latim (leia detalhes da operação mais abaixo).
Bolsonaro foi declarado inelegível até 2030 pelo Tribunal Superior Eleitoral, que condenou o ex-presidente por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação ao questionar o sistema eleitoral. Bolsonaro também é alvo de outras investigações no STF.
✅ Participe do canal do g1 no WhatsApp
Minuta de golpe
Transcrição de áudio de Mauro Cid obtido pela PF
Reprodução
Segundo as investigações, a minuta de golpe foi entregue a Bolsonaro por Filipe Martins (preso na casa da namorada na operação desta quinta) e Amauri Feres (alvo de busca).
Bolsonaro pediu em uma reunião com Martins e Feres que os nomes de Pacheco e Gilmar fossem retirados do documento, mas não o de Moraes. O ex-presidente também quis que fosse mantido trecho que previa a realização de novas eleições.
Em uma operação após o 8 de janeiro, a PF já tinha encontrado uma outra minuta, também de tom golpista, na casa de Anderson Torres, ex-ministro da Justiça de Bolsonaro.
Os documentos da PF e da PGR não cravam, hoje, se as duas minutas têm a mesma origem ou se surgiram de fontes diferentes.
A PF identificou que a agenda e os voos de Alexandre de Moraes eram monitorados pelos golpistas para que o ministro fosse acompanhado em tempo integral e, caso houvesse o golpe militar planejado pelo grupo, ele pudesse ser preso.
Segundo o documento da PF, Mauro Cid afirmou em áudio que tinha hacker em busca de uma “bala de prata” que sustentasse um golpe de Estado.
As investigações também descobriram que militares da ativa pressionaram colegas contrários ao golpe para tentar fazê-los aderir ao movimento e que o principal ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, Mauro Cid, recebeu um pedido de R$ 100 mil para ajudar na organização de atos golpistas.
A PF descobriu ainda que o PL, partido de Bolsonaro, foi usado para financiar narrativas de apoio de ataques às urnas. O ápice dessa estratégia foi a apresentação de um relatório pela coligação da candidatura à reeleição do então presidente, em dezembro de 2022, questionando o resultado da eleição.
LEIA TAMBÉM:
Abin usou sistema secreto para monitorar pessoas por meio do celular no governo Bolsonaro
Bolsonaro, ex-ministros e militares são alvos da PF
Generais reunidos com Bolsonaro apoiaram golpe
Também foi identificado pela PF que, em 9 de dezembro de 2022, o general Estevam Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira, ex-chefe do Comando de Operações Terrestres do Exército, se reuniu com Bolsonaro no Palácio da Alvorada e se colocou à disposição para aderir ao golpe de Estado, segundo conversas obtidas no celular de Mauro Cid.
A condição de Theóphilo para aderir ao golpe e colocar tropas especiais nas ruas seria que Bolsonaro assinasse uma minuta que determinasse o golpe de Estado.
Fala dita pelo general Heleno em reunião, segundo a PF
Reprodução
Outro militar a incentivar o golpe foi o então chefe Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno.
Segundo a investigação, ele cobrou, em reunião ocorrida em 2022, que órgãos do governo deveriam atuar para assegurar a vitória de Bolsonaro nas eleições (veja acima).
“Não vai ter revisão do VAR. Então, o que tiver que ser feito tem que ser feito antes das eleições. Se tiver que dar soco na mesa é antes das eleições. Se tiver que virar a mesa é antes das eleições”, disse Heleno, de acordo com a PF. “Nós vamos ter que agir. Agir contra determinadas instituições e contra determinadas pessoas”, diz o trecho.
Braga Netto chamou comandante do Exército de ‘cagão’
Braga Netto: tudo é culpa do Freire Gomes
Candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro em 2022, o general Walter Souza Braga Netto pediu a cabeça e chamou de “cagão” o então comandante do Exército, general Freire Gomes, por não aderir ao movimento golpista.
A fala consta de uma conversa, obtida pela PF, entre Braga Netto e o capitão reformado do Exército Ailton Gonçalves Moraes Barros.
Segundo a PF, Braga Netto encaminhou a Ailton Barros uma mensagem que teria recebido de um integrante das Forças Especiais do Exército na qual que Freire Gomes é acusado de “omissão e indecisão” por não agir.
Ailton Gomes sugeriu que o comandante fosse pressionado a aderir ao golpe, e Braga Netto concordou:
“Oferece a cabeça dele. Cagão”.
Diálogo em que general Braga Netto oferece a cabeça do comandante do Exército, que não aderiu ao golpe
Reprodução
Militares e ex-ministros alvos de operação
Três militares e ex-assessor de Bolsonaro são presos em operação sobre tentativa de golpe em 2022
Segundo a PF, a decisão previa que mandados fossem cumpridos no Amazonas, no Rio de Janeiro, em São Paulo, em Minas Gerais, em Mato Grosso do Sul, no Ceará, no Espírito Santo, no Paraná, em Goiás e no Distrito Federal.
Além de prisões e buscas, havia 48 medidas cautelares, como proibição de contato entre os investigados, retenção de passaportes e suspensão dos cargos públicos.
Estão entre os alvos de buscas na operação desta quinta, estão:
General Braga Netto, ex-ministro da Defesa e da Casa Civil;
General Augusto Heleno, ex-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI);
General Paulo Sérgio Nogueira, ex-ministro da Defesa;
General Estevam Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira, ex-chefe do Comando de Operações Terrestres do Exército;
Almirante Almir Garnier Santos, ex-comandante-geral da Marinha (veja o que ele disse sobre a operação);
Anderson Torres, delegado da PF e ex-ministro da Justiça;
Valdemar Costa Neto, presidente do PL, partido de Bolsonaro;
Tercio Arnoud Thomaz, ex-assessor de Bolsonaro, conhecido como um dos pilares do chamado “gabinete do ódio”;
e Ailton Barros, coronel reformado do Exército.
Foram alvos de mandados de prisão, segundo o blog da Andréia Sadi:
Filipe Martins, ex-assessor especial de Bolsonaro;
Marcelo Câmara, coronel do Exército ex-assessor especial de Bolsonaro;
Bernardo Romão Correa Neto, coronel do Exército;
e Rafael Martins de Oliveira, major do Exército.
Clique aqui para ver quem são todos os alvos da operação.
As ordens foram expedidas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que determinou que Bolsonaro entregasse o passaporte e não fale com outros investigados.
No fim da manhã desta quinta, a PF apreendeu o documento, que estava no escritório do ex-presidente na sede do PL, em Brasília.
Ainda de acordo com a PF, o grupo de investigados se dividiu em dois focos de ação:
O primeiro era voltado a construir e propagar informações falsas sobre uma suposta fraude nas urnas, apontando “falaciosa vulnerabilidade do sistema eletrônico de votação”, que continuou mesmo após o resultado da eleição.
O segundo eixo, por sua vez, praticava atos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito – ou seja, para concretizar o golpe. Essa etapa, de acordo com as investigações, tinha o apoio de militares ligados a táticas e forças especiais.
Mauro Cid citou um hacker para buscar “bala de prata” para o golpe
Reprodução

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.