Milei fecha instituto apontado como “cabide de emprego” peronista
Milei fecha instituto apontado como “cabide de emprego” peronista
Auditoria parcial do governo Milei apontou que Inadi teria excesso de funcionários e distribuição de escritórios que atenderia a interesses do peronismo| Foto: EFE/EPA/ABIR SULTAN

O governo de Javier Milei anunciou nesta quinta-feira (22)
que vai fechar o Instituto Nacional contra a Discriminação, a Xenofobia e o
Racismo (Inadi), criado em 1995 e que está vinculado ao Ministério da Justiça
da Argentina.

“Estamos dando os primeiros passos para avançar no
desmantelamento de diferentes institutos que não servem para nada ou que são
grandes caixas de políticos. Começamos pelo primeiro: o Inadi. Estamos
começando com o seu encerramento definitivo. É claro, levará um tempo. Há
questões burocráticas [a resolver]”, afirmou o porta-voz da presidência, Manuel
Adorni, segundo informações do Clarín.

No fim de semana, este jornal adiantou resultados parciais
de uma auditoria que o Ministério da Justiça está realizando em órgãos vinculados
à pasta. O Clarín apontou que mais de 400 funcionários trabalham no Inadi, mais
servidores do que em todo o sistema de Justiça comum da capital argentina, Buenos
Aires.

Outra revelação é que o Inadi distribuiria seus 45
escritórios conforme interesses da ala kirchnerista do peronismo. Enquanto
Buenos Aires tem apenas um escritório do instituto, a sede nacional, a pequena
cidade de Villa Gessell, no litoral da província de Buenos Aires e onde moram pouco
mais de 30 mil habitantes, possui dois.

“Estes institutos têm a particularidade de serem dirigidos
por funcionários de idoneidade duvidosa”, acusou Adorni nesta quinta-feira. O porta-voz
afirmou que o governo não vai continuar a financiar estruturas “onde se pagam
favores políticos, ou onde existem dezenas ou centenas de posições hierárquicas
que não acrescentam nada”.

A oposição peronista criticou a decisão do governo Milei. “O governo de Milei – que está caminhando para ser o mais discriminatório, xenófobo e racista da história democrática [da Argentina] – fecha o Instituto Nacional contra a Discriminação, Xenofobia e Racismo (Inadi), criado pela lei 24.515 em 1995. Repúdio absoluto a esta decisão”, escreveu no X o deputado nacional kirchnerista Germán Martínez.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.