Israel pede que “mundo livre” condene pedido de prisão contra Netanyahu

0
Ícone Notícias

Israel fez um apelo às nações do “mundo livre e civilizado” para que condenem o pedido de prisão feito ao Tribunal Penal Internacional (TPI), pelo procurador Karim Khan, contra o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e seu ministro da Defesa Yoav Gallant.

Khan, que é o procurador-chefe do TPI, fez o pedido ao tribunal nesta segunda-feira
(20). Além de membros do governo de Israel, o procurador também pediu a prisão
de líderes do grupo terrorista Hamas, entre eles Yahya Sinwar, chefe do grupo
palestino em Gaza, e Ismail Haniyeh, chefe do escritório político do Hamas, que
vive neste momento no Catar.

Nesta terça-feira, o governo israelense, por meio do porta-voz Tal Heinrich, defendeu suas ações militares em Gaza, alegando que o país está operando contra terroristas do Hamas “que estão sedentos por sangue”.

“Apelamos às nações do mundo civilizado e livre, nações que desprezam
terroristas e qualquer pessoa que os apoie, para apoiarem Israel. Vocês devem
condenar abertamente esta medida [o pedido de prisão]”, disse Heinrich.

“Certifiquem-se de que o TPI entenda de que lado vocês estão. Oponham-se à decisão do promotor e declarem que, mesmo se mandados forem emitidos, vocês não têm a intenção de cumpri-los. Porque isso não é sobre nossos líderes. É sobre nossa sobrevivência”, enfatizou o porta-voz.

Em seu pedido ao TPI, Khan afirmou que, embora Israel tenha o direito de se
defender do Hamas, “isso não isenta o país de cumprir com a lei humanitária
internacional”. Ele acusou Israel de causar “intencionalmente morte, fome,
grande sofrimento e lesões graves ao corpo ou à saúde da população civil” de
Gaza.

Na segunda-feira, dia em que Khan enviou seus pedidos, a França, um dos
países do Ocidente, decidiu enviar uma mensagem de apoio ao tribunal.

“A França apoia o Tribunal Penal Internacional, sua independência e a luta contra a impunidade em todas as situações”, disse um comunicado do ministério das Relações Exteriores do país europeu liderado por Emmanuel Macron.

O comunicado vai contra a posição de outros países ocidentais, como os EUA e a Alemanha, que já criticaram a “falsa equivalência” no pedido de Khan.

Sobre o Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *