Irã diz que restos de urânio enriquecido investigados pela ONU vieram do exterior – Notícias

0

O diretor da Agência de Energia Atômica do Irã, Mohammad Eslami, afirmou que os resquícios de urânio enriquecido encontrados no país, que estão sendo investigados pelo órgão de controle nuclear da ONU, vieram do exterior.

A AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) denuncia há meses a “falta de respostas supervisionadas” de Teerã sobre a presença de urânio enriquecido em três localidades do país.

O caso levou a AIEA a adotar duas adolescentes contra a república islâmica.


As instalações iranianas que, “segundo os serviços [de inteligência] estrangeiros abrigaram atividades químicas” são “uma área de criação de gado, uma mina abandonada e um depósito de lixo”, declarou o diretor do órgão iraniano, numa entrevista publicada na quinta-feira (8) pelo jornal Hamshahri.

Segundo ele, os inspetores da AIEA ficaram “amostras de resíduos que entraram no Irã procedentes de países diferentes”.

“Isso não significa que o local da descoberta fosse […] de atividade nuclear não declarada”, explicou.

“Em muitos casos, descobrimos que os resíduos importados do Iraque […] estavam contaminadas”, acrescentou. “Não eram substâncias químicas fabricadas por nós”, insistiu.


O Irã e o G5+1 (EUA, Rússia, China, França e Reino Unido mais Alemanha) iniciaram conversas em abril de 2021, em Viena, para ressuscitar um acordo internacional de 2015 que garantia o caráter civil do programa nuclear iraniano, acusado de buscar armas químicas.

Mas as consequências estão paralisadas, sobretudo pela questão que envolve essas três localidades, sobre como a AIEA pede passou acerca da presença de resquícios de urânio enriquecido.


Sobre o Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *