Houthis prometem usar “armas submarinas” em ataques no Mar Vermelho
Houthis prometem usar “armas submarinas” em ataques no Mar Vermelho

O líder dos rebeldes houthis do Iêmen, Abdelmalek al Houthi,
afirmou nesta quinta-feira (22) que o grupo apoiado pelo Irã começará a usar “armas
submarinas” em seus ataques contra navios comerciais e de guerra no Mar
Vermelho, onde os terroristas intensificaram suas ações recentemente.

“Nestas operações, caminhamos também para uma escalada em
termos de intensidade e tipo. Isto implica a ativação de mísseis, drones,
navios militares e a introdução de armas subaquáticas, o que é preocupante para
o inimigo”, disse Al Houthi em um discurso televisionado.

Desde 19 de novembro do ano passado, os rebeldes lançaram
dezenas de ataques contra navios mercantes no Mar Vermelho, alegando que
estavam ligados a Israel, e também contra navios de guerra de Estados Unidos e
Reino Unido, estacionados naquelas águas para proteger a navegação comercial.

Ainda que esta seja a primeira vez que os houthis se
manifestam sobre o uso de armas subaquáticas, o Comando Central dos EUA (Centcom)
anunciou no sábado passado (17) que lançou um ataque contra “uma embarcação subaquática
não tripulada (UUV)” que estava sendo preparada pelos insurgentes.

Até agora, o movimento xiita atacou um total de 48 navios no
Mar Vermelho e no Mar Árabe, principalmente com drones e mísseis navais,
segundo Al Houthi.

O líder rebelde também fez referência a Washington e
Londres, que desde meados de janeiro lançaram diversas operações contra
posições dos houthis no Iêmen, ações que conseguiram destruir dezenas de
lançadores de mísseis e outro tipo de armas.

Apesar de reconhecer que estes dois países “possuem
capacidades avançadas” para interceptar mísseis e drones, Al Houthi alegou que
“não conseguiram limitar as operações de lançamento nem impediram que os
projéteis atingissem seus alvos”.

“Novos mísseis foram desenvolvidos e os mísseis disponíveis
foram melhorados a tal ponto que os americanos são incapazes de interceptá-los
e derrubá-los com todas as tecnologias e capacidades que possuem”, gabou-se.

Os houthis aumentaram seus ataques no Mar Vermelho desde que sua designação como grupo terrorista por Washington entrou em vigor, em 17 de fevereiro, uma medida que, segundo eles, os legitima para um confronto direto com os EUA.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.