Governos espionam usuários de Apple e Google por meio de notificações, diz senador dos EUA – Notícias


Governos não identificados estão vigiando usuários de smartphones por meio de notificações push de seus aplicativos, alertou um senador americano na quarta-feira (6).



Em carta ao Departamento de Justiça, o senador Ron Wyden disse que autoridades estrangeiras estavam exigindo os dados do Google, da Alphabet e da Apple. Embora os detalhes tenham sido escassos, a carta apresenta mais um caminho pelo qual os governos podem rastrear smartphones.


Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp

• Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

• Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Assine a newsletter R7 em Ponto


Aplicativos de todos os tipos dependem de notificações push para alertar os usuários sobre mensagens recebidas, notícias de última hora e outras atualizações. Esses são os sons audíveis ou indicadores visuais que os usuários recebem quando chega um email ou quando seu time ganha um jogo. O que os usuários geralmente não percebem é que quase todas essas notificações trafegam pelos servidores do Google e da Apple.



Isso fornece às duas empresas uma visão única do tráfego que flui desses aplicativos para seus usuários e, por sua vez, as coloca “em uma posição única para facilitar a vigilância do governo sobre como os usuários estão usando determinados aplicativos”, disse Wyden.


Ele pediu ao Departamento de Justiça para “revogar ou modificar quaisquer políticas” que impedissem discussões públicas sobre a espionagem de notificações push.


Em uma declaração, a Apple disse que a carta de Wyden deu a eles a abertura de que precisavam para compartilhar mais detalhes com o público sobre como os governos monitoram as notificações push.


“Nesse caso, o governo federal nos proibiu de compartilhar qualquer informação”, disse a empresa em um comunicado. “Agora que esse método se tornou público, estamos atualizando nossos relatórios de transparência para detalhar esses tipos de solicitações.”


O Google disse que compartilhava o “compromisso de Wyden de manter os usuários informados sobre essas solicitações”.



O Departamento de Justiça se recusou a comentar a vigilância das notificações push ou se havia impedido a Apple ou o Google de falar sobre o assunto.


A carta de Wyden citou uma “dica” como a fonte das informações sobre a vigilância. Sua equipe não entrou em detalhes sobre a fonte, mas uma pessoa familiarizada com o assunto confirmou que agências governamentais estrangeiras e americanas têm solicitado à Apple e ao Google metadados relacionados a notificações push para, por exemplo, ajudar a vincular usuários anônimos de aplicativos de mensagens a contas específicas da Apple ou do Google.


A fonte se recusou a identificar os governos estrangeiros envolvidos nas solicitações, mas os descreveu como democracias aliadas aos Estados Unidos.


‘Cemitério’ do Google relembra apps e produtos que já se foram


Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.