Eurodeputados pedem transição democrática em Cuba
Eurodeputados pedem transição democrática em Cuba

Em uma carta enviada nesta semana ao chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, mais de 30
eurodeputados de diferentes países europeus exigiram
a libertação imediata dos presos políticos e o início de um processo de
transição democrática em Cuba.

A carta foi enviada a pedido do Observatório Cubano de Direitos Humanos (OCDH) e de vários
ativistas cubanos, que visitaram Bruxelas, capital da Bélgica, onde fica a sede da União Europeia (UE), na semana passada.

Segundo informações do site cubano independente Cubanet, os eurodeputados alertaram na carta sobre o aumento da violência social e da emigração irregular como consequência da grave situação socioeconômica na ilha.

“Com motivo da visita ao Parlamento Europeu do Observatório Cubano de Direitos Humanos (OCDH) e de um grupo de ativistas cubanos, juntamo-nos às iniciativas dos familiares dos presos que pedem a libertação de todos os prisioneiros políticos; exigimos ao Estado cubano a consideração de qualquer ação legal que implique a libertação imediata dos presos políticos, e o cessar do assédio aos familiares dos presos, que clamam pela libertação dos seus familiares injustamente detidos”, diz o trecho inicial do documento.

Conforme o último relatório da ONG
Prisoners Defenders, no final de janeiro deste ano, o regime comunista liderado por Miguel Díaz-Canel mantinha 1.066 pessoas presas por motivos
políticos.

Ainda no documento, os eurodeputados também acusaram o regime cubano de descumprir compromissos assumidos com a União Europeia, entre eles um que prevê a entrega de 155 milhões de euros da UE para organizações e instituições ligadas ao regime castrista, para financiar cerca de 80 projetos de desenvolvimento na ilha comunista.

“Atendendo aos compromissos assumidos, e sempre não cumpridos, pelo regime cubano no Acordo de Diálogo e Cooperação com a União Europeia, reiteramos a urgente necessidade de passos concretos para uma transição para um Estado de pleno direito na ilha, e a realização de eleições plurais, livres e democráticas, bem como o respeito aos direitos humanos e às liberdades individuais”, diz o trecho final da carta.

De acordo com o Cubanet, o OCDH agradeceu a solidariedade dos eurodeputados com o povo cubano, especialmente com os presos políticos e seus familiares. A organização destacou a importância de se ‘exigir uma transição para um Estado de direito na ilha, com a realização de eleições livres e democráticas”.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.