Enviado de Taiwan descarta invasão chinesa no curto prazo
Enviado de Taiwan descarta invasão chinesa no curto prazo
Representante de Taiwan no Brasil, Benito Lao, descarta ataque iminente da China à ilha e prega mais negócios com o Brasil.| Foto: Sílvio Ribas / Arquivo Pessoal

O representante de Taiwan no Brasil, Benito Lao, descartou a possibilidade de iminente invasão chinesa à ilha asiática, graças à percepção dos “efeitos catastróficos” que isso teria na economia mundial e o reforço da presença militar de aliados ocidentais na região. Durante encontro com jornalistas, políticos e empresários em Brasília nesta quinta-feira (22), ele ressaltou a dependência global da indústria automotiva e de telecomunicações de suprimentos taiwaneses, sobretudo semicondutores.

As crescentes ameaças de Pequim à ilha, que a considera uma província rebelde, têm provocado reações internacionais, incluindo o deslocamento de frotas de navios de guerra europeus e americanos para a região. Taiwan é ponto crucial na crise comercial entre os Estados Unidos e a China, produzindo 90% dos chips mais avançados do mundo, essenciais à expansão de tecnologias cada vez mais presentes no cotidiano.

A vitória de Lai Ching-te nas eleições presidenciais de Taiwan elevou as preocupações sobre uma possível intervenção militar chinesa, dada a sua posição ostensivamente contrária à unificação com a China. Lao destacou que o pedido recente de Pequim para o Brasil confirmar apoio à reincorporação da ilha soa “falta de autoconfiança”, considerando a posição favorável já manifestada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante a sua visita ao gigante asiático no ano passado.

Lao enfatizou que Taiwan mantém sua soberania devido ao seu perfil democrático, que atrai a cooperação de atores como Estados Unidos, União Europeia e Japão.

Ele também disse que espera uma postura mais flexível do Brasil na concessão de vistos, visando impulsionar negócios e turismo. Neste sentido, ressaltou que portadores de passaporte taiwanês podem entrar em 143 países sem visto, incluindo Chile, Peru, Equador e Paraguai.

Além disso, apontou que o fluxo comercial entre Brasil e Taiwan está aquém do potencial, totalizando US$ 1,6 bilhão em exportações e importações de US$ 2,6 bilhões. Uma das áreas mais promissoras para a relação bilateral, aponta, está no mercado de créditos de carbono.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.