Eletrobras fixa preço de R$ 42 por ação e movimenta R$ 33,7 bilhões
Com privatização, fatia do governo e do BNDES deve cair a cerca de 35%. Foto: Kevin David
Eletrobras fixa preço de R$ 42 por ação e movimenta R$ 33,7 bilhões
Com privatização, fatia do governo e do BNDES deve cair a cerca de 35%. Foto: Kevin David

Cerca de 350 mil pessoas reservaram ações da companhia com o FGTS, resultando em demanda de R$ 9 bilhões

A oferta de ações que resultou na privatização da Eletrobras movimentou cerca de R$ 33,7 bilhões, depois de o preço de cada papel ser definido a R$ 42 na noite de quinta-feira (9), segundo fontes de mercado.

O ajuste de preço foi alvo de uma intensa disputa entre investidores locais e estrangeiros, que só terminou depois das 20h. A venda da estatal de energia via Bolsa foi o maior movimento de desestatização do país em duas décadas. A fatia do governo e do BNDES no negócio deve cair a cerca de 35%.

O preço de R$ 42 representou um desconto de 4% em relação ao valor da ação ao fim do pregão de quinta-feira, de R$ 44. Além de ter sido uma das maiores ofertas de ações em todo o mundo no ano de 2022, a operação da Eletrobras também foi a maior operação na B3, a Bolsa brasileira, desde a megacapitalização da Petrobras, em 2012, que movimentou R$ 100 bilhões.

A oferta da Eletrobras teve um empurrão importante da possibilidade de uso de recursos do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) para a compra de ações. Foi a primeira vez em cerca de 20 anos que o trabalhador brasileiro teve essa oportunidade. Antes, isso ocorreu com papéis da Vale e da Petrobras.

Diante da oportunidade, a demanda foi alta: cerca de 350 mil pessoas reservaram ações da companhia. O teto para uso do FGTS era de R$ 6 bilhões, mas a demanda ficou em R$ 9 bilhões, ou 50% a mais. Por essa razão, deverá haver uma redução em relação aos valores reservados por trabalhadores.

O investidor que fez uso de seu FGTS para entrar na oferta não poderá se desfazer do investimento por um prazo de no mínimo 12 meses – exceto em alguns casos, como o de demissão sem justa causa.

Copyright © Estadão. Todos os direitos reservados. Fonte: R7

 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.