Aneel projeta aumento de 5,3% em tarifa de conta de energia elétrica para 2023

0
Spread the love

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), está previsto um aumento de 5,6% na tarifa de energia elétrica do país. Alguns estados brasileiros, inclusive, sofrerão um aumento ainda mais grosseiro, podendo chegar até 14,3%. Entenda, a seguir, como o aumento da conta de luz será distribuído e como se preparar para esse acréscimo de valor.

Leia mais: O que mais pesa na sua conta de luz? 4 maneiras simples de economizar

Aumento na conta de luz em 2023

Quando há condições à geração e distribuição de energia elétrica, a bandeira verde – ou seja, a exclusão de qualquer tarifa extra da conta de luz – é aplicada. Atualmente, o Brasil está em bandeira verde, devido à facilidade momentânea em produzir energia. Na prática, isso barateia a conta de energia elétrica em residências.

Entretanto, com o aumento da tarifa obrigatória, a sua conta de luz pode aumentar consideravelmente. Os acréscimos variam entre 2,7% a 14,3%. Descubra, a seguir, mais informações sobre o aumento na conta de luz:

Quais contratos de energia elétrica reajustarão o valor?

A informação do reajuste foi divulgada após reunião de membros da Aneel com a equipe de transição de governo do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, em 24 de novembro. No entanto, ainda não foi divulgado quais contratos terão valores de tarifa reajustados – e nem a porcentagem do reajuste.

Então, até o momento, não há nenhum plano de reajuste?

Não necessariamente. O que se sabe, até o momento, é que 7 distribuidores sofrerão um reajuste superior a 10%, 15 distribuidores sofrerão reajustes que variam entre 5% a 10% e 17 empresas precisarão alterar suas tarifas entre 0% a 5%. Por fim, 13 acompanhados colheram uma alteração inferior a 0%.

Saiba se você tem direito à tarifa social:

É possível receber descontos na conta de luz que podem variar de 10% a 100% através do programa Tarifa Social de Energia Elétrica. Para isso, você precisa estar inscrito no CadÚnico e possuir uma renda mensal per capita de R$606. Os ajustes diferiram de acordo com o grupo beneficiado, a saber:

  • Famílias indígenas ou quilombolas possuem 100% de desconto se o consumo de até 50 kWh ao mês; 40% de desconto se o consumo for de 51 até 100 kWh/mês e 10% se variar entre 101 até 220 kWh/mês.
  • Demais famílias recebem 65% de desconto se o consumo for de até 30 kWh/mês, 40% de desconto se o consumo chegar até 100 kWh/mês e 10% de desconto se chegar até 220 kWh/mês.

Sobre o Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *