Salman Rushdie permanece internado após ser esfaqueado durante palestra nos EUA
Salman Rushdie permanece internado após ser esfaqueado durante palestra nos EUA

Autoridades trabalham para determinar o motivo do ataque ao escritor indiano

O local onde o renomado autor Salman Rushdie – cujo trabalho controverso provocou ameaças de morte – foi esfaqueado nesta sexta-feira (13) rejeitou recomendações anteriores para endurecer as medidas de segurança, disseram duas fontes à CNN.

Rushdie, de 75 anos, foi esfaqueado pelo menos duas vezes no palco da Chautauqua Institution antes de dar uma palestra, disse a polícia do estado de Nova York na sexta-feira. Ele foi levado de helicóptero para um hospital no noroeste da Pensilvânia e passou por uma cirurgia, disse um oficial da polícia do estado.

No final do dia, Rushdie foi colocado em um respirador e não conseguiu falar, disse seu agente, Andrew Wylie, ao The New York Times. Ele provavelmente vai perder um olho, disse Wylie. “Os nervos de seu braço foram cortados; e seu fígado foi esfaqueado e danificado. As notícias não são boas”.

Após o ataque, foram levantadas questões sobre as precauções de segurança – ou a falta delas – na instituição anfitriã, que fica em um resort rural a cerca de 110 km ao sul de Buffalo, Nova York.

A liderança da instituição rejeitou recomendações de medidas básicas de segurança, incluindo verificações de malas e detectores de metal, temendo que isso criasse uma divisão entre os palestrantes e o público, segundo duas fontes que conversaram com a CNN. A liderança também temia que isso mudasse a cultura da instituição, disseram as fontes.

As duas fontes têm conhecimento direto da situação de segurança na Instituição Chautauqua e recomendações anteriores e falaram com a CNN sob condição de anonimato porque não estavam autorizadas a falar publicamente.

Não está claro se as medidas recomendadas teriam evitado o ataque a Rushdie com base nas informações divulgadas sobre o incidente na noite de sexta. As autoridades não divulgaram o tipo de arma que foi usada no ataque.

Não houve buscas de segurança ou detectores de metal no evento, disse uma pessoa que testemunhou o ataque à CNN. A testemunha não está sendo identificada porque expressou preocupação com sua segurança pessoal.

A CNN entrou em contato com a Instituição Chautauqua e sua liderança para comentar, mas não recebeu uma resposta na sexta.

O presidente da instituição, Michael Hill, defendeu os planos de segurança de sua organização quando perguntado durante uma entrevista coletiva de sexta se haveria mais precauções em eventos futuros.

“Avaliamos para cada evento o que achamos que é o nível de segurança apropriado, e este certamente foi um que achamos importante, e é por isso que tivemos uma presença do policial estadual e do xerife lá”, disse Hill.

“Avaliaremos para cada um dos eventos na instituição o que achamos que é o nível apropriado de segurança e esse é um processo contínuo no qual trabalhamos em conjunto com as autoridades locais”.

Também ferido na sexta-feira estava Henry Reese, cofundador da City of Asylum, uma organização sem fins lucrativos de Pittsburgh, que deveria se juntar a Rushdie em uma discussão, disse a polícia. Ele foi levado para um hospital e tratado por uma lesão facial e liberado.

Os escritos de Rushdie ganharam vários prêmios literários, incluindo o Booker Prize por seu livro de 1981, “Midnight’s Children”. Mas foi seu quarto romance, “Os Versos Satânicos”, que atraiu o maior escrutínio, pois alguns muçulmanos acharam o livro um sacrilégio, e sua publicação em 1988 provocou manifestações públicas.

O falecido líder iraniano aiatolá Ruhollah Khomeini, que descreveu o livro como um insulto ao Islã e ao profeta Maomé, emitiu um decreto religioso, ou fatwa, pedindo a morte de Rushdie em 1989.

Autoridades estiveram em casa conectada ao suspeito
O suspeito do ataque foi identificado como Hadi Matar de Fairview, Nova Jersey, disse o comandante da tropa do estado de Nova York, Major Eugene J. Staniszewski, na noite de sexta-feira, durante uma entrevista coletiva.

O ataque ocorreu por volta das 10h45 (horário local), quando Rushdie estava sendo apresentado, disse uma testemunha à CNN. Um homem de camisa preta parecia estar “socando” o autor. A testemunha, que estava a cerca de 23 metros do palco, não ouviu o agressor dizer nada ou ver uma arma.

Outra testemunha, Joyce Lussier, estava sentada na segunda fila quando viu um homem que “atravessou o palco e foi direto para o Sr. Rushdie.

“Ele veio pelo lado esquerdo e pulou pelo palco e simplesmente atacou ele. Em, eu não sei, dois segundos ele estava do outro lado do palco”, disse Lussier. Ela ouviu pessoas gritando e chorando e viu pessoas da platéia correndo para o palco, ela disse.

Matar, 24, supostamente esfaqueou Rushdie pelo menos uma vez no pescoço e pelo menos uma vez no abdômen, disse a polícia estadual. Funcionários e membros da plateia correram para o agressor e o colocaram no chão antes que um policial o prendesse, disse a polícia.

Na noite de sexta-feira, a polícia bloqueou a rua para a casa de Nova Jersey que se acredita estar ligada ao suspeito.

Após a faculdade, Rushdie começou a trabalhar como redator publicitário em Londres, antes de publicar seu primeiro romance, “Grimus” em 1975.

Em 1989, como resultado da fatwa, Rushdie começou uma década sob proteção britânica.

Rushdie disse à CNN em 1999 que a experiência o ensinou “a valorizar ainda mais intensamente as coisas que eu valorizava antes, como a arte da literatura e a liberdade de expressão e o direito de dizer coisas que outras pessoas não gostam.

“Pode ter sido uma década desagradável, mas foi a luta certa, você sabe. Foi lutar pelas coisas em que mais acredito contra coisas que não gosto, que são fanatismo, fanatismo e censura”.

A recompensa contra Rushdie nunca foi suspensa, embora em 1998 o governo iraniano tenha tentado se distanciar da fatwa prometendo não tentar executá-la.

Apesar disso, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, reafirmou recentemente o decreto religioso.

Em fevereiro de 2017, no site oficial de Khamenei, o líder supremo foi questionado se a “fatwa contra Rushdie ainda estava em vigor”, ao que Khamenei confirmou que sim, dizendo: “O decreto está como o Imam Khomeini emitiu”. Via CNN

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.